Header Ads

Fábrica da Pedra completa 104 anos de existência nesta terça-feira (05)


Guarita da Fábrica da Pedra/ Imagem Adalberto Gomes
A Fábrica da Pedra S/A - Fiação e Tecelagem inaugurada em 05 de junho de 1914 pelo empreendedor e desbravador Delmiro Augusto da Cruz Gouveia, completa 104 anos de existência nesta terça-feira (05) de junho com as portas fechadas. Considerada a  maior indústria do sertão alagoano, a Fábrica teve suas atividades encerradas no dia 31 de janeiro de 2017, devido uma crise financeira que iniciou-se  em março de 2016, pelo não pagamento de um débito na energia elétrica com a Eletrobras no valor  de R$ 1,265.000,00, com isso  583 funcionários foram demitidos.

História

Fundada por Delmiro Augusto da Cruz Gouveia, nascia no Povoado da Pedra (cidade de Delmiro Gouveia), um empreendimento moderno bastante conhecido nos mercados interno e externo pela excelência na fabricação de produtos têxteis, que tinha a marca Estrela de carretéis de linha como selo da Companhia Agro Fabril Mercantil  (razão social da empresa) na época da sua fundação.

  Delmiro Augusto da Cruz Gouveia, fundador da Fábrica da Pedra/ imagem arquivo Adalberto Gomes
Imagem interna da produção da Fábrica da Pedra/ imagem arquivo Adalberto Gomes
Logo, nos primeiros anos, a Companhia Agro Fabril Mercantil, mostrou vigor industrial. Começou a operar os teares com mais de 800 operários entre homens e mulheres produzindo mais de dois mil carretéis de linhas para costura, rendas e bordados. Seus produtos de qualidade rapidamente ganharam espaço no mercado externo passando a exportar para Argentina, Chile e Peru. Os carretéis eram provenientes da Finlândia. E, o algodão, do Egito.

Contudo, após três anos em atividade, a Companhia Agro Fabril Mercantil sofreu o maior revés. A prematura morte do desbravador do sertão alagoano, Delmiro Gouveia, assassinado no dia 10 de outubro de 1917.

A morte do empresário cearense Delmiro Gouveia,  radicado no sertão alagoano, abalou a sociedade da época. O comando da Fábrica foi assumido pelo sócio italiano Lionelo Iona e Adolpho Santos até 1924. Pouco tempo depois, os destinos da indústria são passados para o filho de Delmiro Gouveia, Noé. Nesse período, desaparece a linha Estrela e a Fábrica foca a produção propriamente na indústria têxtil.

Em 1926, a  Companhia Agro Fabril Mercantil é vendida ao grupo empresarial pernambucano Irmãos Menezes e Cia, administrado pela família Lacerda de Menezes. Este grupo manteve-se a frente do empreendimento até 1986. Neste ano, a Fábrica foi vendida ao grupo Cataguases Leopoldina do empresário mineiro Ivan Müller Botelho, passando a chamar-se Multi Fabril Nordeste S/A.

Em 1992, a Multi Fabril Nordeste S/A, foi vendida ao grupo empresarial alagoano Carlos Lyra, com quem permanece até hoje com a denominação Fábrica da Pedra S/A - Fiação e Tecelagem. O Grupo Carlos Lyra apostou e investiu na aquisição de modernos equipamentos de última geração para a fiação “open-end” e os teares de pinça e a jato de ar, para a tecelagem.

Mesmo com todos os investimentos visando sua modernização, a Fábrica, sofreu com os efeitos perversos da crise econômica que teve início em 2015 no Brasil, e que culminou no desemprego e demissões de funcionários.

Crise 

A crise na Fábrica da Pedra começou em março de 2016, devido a um débito de energia com a Eletrobras, valor esse que segundo a diretoria da empresa seria de R$ 1,265.000,00. O não pagamento deste débito ocasionou o desligamento da energia e suas atividades foram paralisadas temporariamente. Para tentar pagar o débito, a direção da Fábrica solicitou junto a Eletrobras um acordo parcelando o valor em 36 vezes, mas a Eletrobras não aceitou  e com isso agravou ainda mais a situação da empresa.

A Fábrica possuía um quadro com cerca de 583 funcionários, muitos tiveram férias coletivas devido a paralisação. Em dezembro de 2016, a direção da empresa resolveu demitir cerca de 150 funcionários, agravando ainda mais a crise, já que não estava mantendo condições financeiras para manter os funcionários na empresa.

Devido a todas essas questões, funcionários, ex-funcionários, comerciantes, estudantes e a sociedade delmirense realizaram várias manifestações em protesto contra o não fechamento da Fábrica da Pedra. As manifestações foram realizadas em frente à Fábrica da Pedra, na sede da Eletrobras e pelas ruas de Delmiro Gouveia.

Fechamento da Fábrica

Em 23 de janeiro de 2017, funcionários, ex-funcionários da Fábrica da Pedra, estudantes e a população delmirese estiveram reunidos em frente à guarita da Fábrica da Pedra, realizando um ato de manifestação contra o fechamento da Fábrica da Pedra.

Imagem arquivo Adalberto Gomes
Os funcionários utilizaram cartazes cobrando das autoridades uma solução para que a Fábrica possa funcionar normalmente, emocionados ouviram o hino de Delmiro Gouveia e do Brasil. Ainda em  frente da Fábrica, fizeram um círculo e rezaram de mãos dadas, logo depois percorreram a avenida Castelo Branco, passando pela Câmara de Vereadores, pela Prefeitura Municipal de Delmiro Gouveia até à frente da Fábrica da Pedra, durante a caminhada foram pedidos para que os comerciantes baixassem as portas dos comércios em solidariedade a manifestação.

Imagem arquivo Adalberto Gomes
No dia 31 de  janeiro de 2017, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Fiação e Tecelagem (STIFT), após reunião com diretores do Grupo Carlos Lira, informaram a demissão dos 450 funcionários restantes, com essas demissões a Fábrica da Pedra encerrou suas atividades.

Vídeo



 Por Redação Blog Adalberto Gomes Notícias

Nenhum comentário

Adalberto Gomes Noticias . Imagens de tema por MichaelJay. Tecnologia do Blogger.