Header Ads


Centro Cyro Accioly comemora aprovação de alunos com deficiência visual no Enem em Alagoas

Jonathan Davi utiliza computador com recursos auditivos para facilitar pesquisa
Jonathan Davi utiliza computador com recursos auditivos para facilitar pesquisa Fotos: José Demétrio
“Fiquei muito feliz com a minha aprovação, foi uma surpresa conseguir o primeiro lugar. Quero ser uma ótima professora e ajudar pessoas iguais a mim”. Quem lê o emocionado depoimento de Cecília Mônica Ferreira, aprovada em Letras-Português pelo sistema de cotas da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) não imagina que, há cinco anos, ela nem cogitava entrar em uma faculdade. Nessa mesma época, ela perdeu a visão e a mudança na sua vida lhe levaria ao Centro Cyro Accioly, um lugar que lhe abriria novas portas e um mundo de possibilidades.

Lá, aprendeu a se adaptar à nova realidade – estudou o Braille (sistema de escrita para pessoas cegas ou com baixa visão), recebeu instruções de mobilidade – e teve estímulo para voltar a estudar. E foi com o apoio das aulas do Pré-Enem da instituição que ela e mais sete colegas conseguiram ingressar no ensino superior. “O Centro Cyro Accioly é um espaço essencial para nós, deficientes visuais. Toda a equipe é muito qualificada”, afirma Cecília.

O Centro oferece o pré-Enem desde 2010. Inicialmente, as aulas eram apenas de redação, mas depois incluíram todas as disciplinas. “Temos aulas todos os dias, com material em Braille ou em caracteres ampliados para as pessoas com baixa visão. Também possuímos laboratório com computadores com programas auditivos onde eles podem fazer pesquisa”, informa a diretora Jedalva dos Santos, destacando que a instituição também oferta preparativo para quem deseja fazer o Exame Nacional para Certificação de Competência de Jovens e Adultos (Encceja) – o qual propicia certificação de conclusão dos ensinos Fundamental e Médio para os aprovados.

Apoio

Fabiano Gomes, Jonathan Davi Oliveira, Miriam Caetano, Edson Pedro da Silva e Douglas Rodrigo da Silva também participaram do pré-Enem da Cyro Accioly. Com histórias de vida diferentes, todos encontraram na instituição um espaço onde aprenderam a ter autonomia e a lutar pelos seus sonhos.

“Perdi a visão aos 35 anos de idade e tinha parado de estudar no 4º ano do ensino fundamental. Quando cheguei aqui, encontrei o estímulo para voltar a estudar e concluí meus estudos no Centro de Educação de Jovens e Adultos Paulo Freire, mas sempre mantendo o atendimento especializado aqui no Centro Cyro. Este preparativo para o Enem que ele oferta é muito importante para nós deficientes visuais”, frisa Miriam, aprovada em Serviço Social na Ufal.

Alunos do Centro Cyro Accioly foram aprovados em cursos da Ufal e do Ifal em 2018 (Fotos: José Demétrio)

Fabiano Gomes e Jonathan Davi foram aprovados em Letras na Ufal e chegaram ainda crianças ao Centro Cyro Accioly. “Aqui, eles nos preparam para competirmos no mesmo nível que um candidato que enxerga. Minha meta é avançar ainda mais nos estudos e fazer outra faculdade”, promete Jonathan. “Comecei a frequentar a Cyro Accioly aos 7 anos de idade, parei de estudar e depois voltei para o Pré-Enem. Sou um exemplo de que, mesmo com a idade, você não deve desistir”, fala Fabiano.

Edson Pedro, que aguarda vaga no Sisu em Relações Públicas na Ufal e Douglas Rodrigo, aprovado em Sistemas de Informação no Instituto Federal de Alagoas (Ifal), são só elogios ao preparativo ofertado pelo Centro. “Aqui tive orientação, conversava muito com os professores e pude desenvolver melhor o meu potencial”, recorda Douglas. “O Cyro Accioly lhe prepara para a vida. Para outros deficientes visuais, digo o seguinte: não fique em casa, volte a estudar. Vale a pena”, orienta Edson.

Orientações

Pioneira do Pré-Enem, a professora Márcia Villas Boas conta que a ideia do preparatório nasceu a partir do desejo de um aluno do Cyro Accioly de fazer vestibular. “Comecei a acompanhá-lo para ler o material disponibilizado no pré-vestibular. Daí surgiu a necessidade de termos o nosso preparatório”, lembra.

Alunos do Centro Cyro Accioly foram aprovados em cursos da Ufal e do Ifal em 2018 (Fotos: José Demétrio)

Márcia leciona redação para os alunos e conta que, além de discutir temáticas da atualidade que podem ser abordadas na prova, busca prepará-los para lidar com o tempo. “Seja na redação ou em qualquer prova do Enem, o candidato deficiente visual terá um ledor à sua disposição, o qual, além de ler as questões, vai transcrever as respostas do candidato. Por isso é importante que ele se situe em relação ao tempo da prova”, explica.

As aulas deste ano para o Enem e para o Encceja já começaram no Centro Cyro Accioly, mas quem tiver interesse em participar, pode buscar mais informações pelo telefone 3315-1362. “Temos ainda o Atendimento Educação Especializado para estudantes com deficiência visual da capital e do interior, dispondo de sala de recursos multifuncional, sala de leitura e escrita Braille e atividades de orientação e mobilidade, estimulação sensorial e reeducação visual, esta última para alunos de baixa visão”, lista Jedalva.

 Por Blog Adalberto Gomes Notícias com Agência Alagoas

Nenhum comentário

Adalberto Gomes Noticias . Imagens de tema por MichaelJay. Tecnologia do Blogger.