Header Ads



Governo não tem garantias de pagar 13º, folha de dezembro e pode atrasar salários

Renan Filho não descarta transferir pagamento de 2ª faixa salarial para dia 20



Já estão presentes em vários setores da economia de Alagoas os efeitos do descontrole da crise causada pela sequência de pedaladas fiscais e tropeços administrativos e políticos do governo da presidente Dilma Rousseff. No setor público, houve contingenciamento de recursos que afetaram projetos importantes como os de mobilidade urbana e o Canal do Sertão. Além disso, as perspectivas negativas quanto ao aumento de receitas já preocupa o governador Renan Filho (PMDB), que admite prorrogar em dez dias o pagamento da folha de servidores do Estado.
Em conversa com o Blog do Davi Soares, Renan Filho disse estar tomando todas as providências para assegurar o cumprimento dos compromissos firmados com os servidores. Mas admitiu que ainda não há garantias para o pagamento das folhas de dezembro e do 13ª salário do Estado.
“Ainda não tem garantias [de pagar 13º salário e dezembro]. Não tem, mas estamos tomando todas as providências no sentido de viabilizar esses recursos. Várias frentes estão sendo trabalhadas. Vamos precisar do apoio institucional. Algumas medidas o Governo Federal tem tomado, como por exemplo depósitos judiciais; várias frentes. Estamos trabalhando e vamos conseguir cumprir”, respondeu o governador, ao ser questionado se já havia garantido os recursos para o 13º e dezembro.
Apesar da falta de perspectiva, Renan Filho demonstra confiança no momento pós-crise, ao citar o ajuste fiscal que o governo do Estado de Alagoas estaria cumprindo. Segundo o governador alagoano, iniciar o governo “com os pés muito no chão” tem ajudado a criar possibilidade de honrar salários. Mas pontuou que muitas prefeituras também têm dito que, no atual cenário, não vão ter como honrar salários. E enumerou casos de outros estados em dificuldade, antes de afirmar que, se for preciso, pode mudar o dia de pagamento da 2ª faixa salarial, transferindo do dia 10 para o dia 20.
“É difícil a situação. Mas tem que fazer o seguinte... Nessas horas é que as coisas começam a mudar. Só se economiza, em crise. Em época de crise ninguém gasta mais do que pode. E quando a coisa melhora, isso gera a possibilidade de avançar mais rápido. Estamos aqui neste momento, eu, os prefeitos e os governadores Brasil afora... Para você ter um exemplo, Pernambuco botou a folha para o dia 05. Rio Grande do Sul dividiu a folha, Sergipe, botou para o dia 10. A nossa já era no dia 10 [a segunda faixa] há muitos anos, desde o governo de Ronaldo Lessa. Teotonio [Vilela Filho] passou oito anos com a folha no dia 10, com crescimento de receita superior a 10% ao ano. Se a gente tiver dificuldades, já vai para o dia 20, a segunda faixa, que é 80% da folha”, concluiu Renan Filho.
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), tem atuado como bombeiro para conter a crise entre Dilma Rousseff e o Congresso Nacional. E a nova postura, contrária à que criticava o governo do PT há algumas semanas, é uma das frentes políticas em que o governo de seu filho aposta para reduzir os efeitos da crise no Estado de Alagoas. Pode ser este um dos motivos mais fortes para a confiança de Renan Filho.
Que a fatura da aliança que reelegeu Dilma em 2014 não chegue para também ser paga pelo servidor estadual.

Por Cada Minuto.

Nenhum comentário

Adalberto Gomes Noticias . Imagens de tema por MichaelJay. Tecnologia do Blogger.